quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

mais uma de melancolia

Como eu me sinto hoje?
Fraca, incapaz.
Todos os traumas levantaram de suas tumbas.
Não tem nada de diferente, mas é impossível ignorá-los. Dessa vez não recorro ao álcool, isso não faz mais efeito.
Não quero falar com ninguém.
Tentar e parecer ser forte todos os dias, é assim que tenho feito. Poucas pessoas entendem.
Renato Russo com certeza é uma dessas pessoas:

Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado
Quem diz que me entende nunca quis saber.
(...)
Que é impossível ter da vida calma e força
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer.
(...)
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom-samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende
E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito
(...)
Mas o mundo continua sempre o mesmo
(...)
A falta de esperança e o tormento
De saber que nada é justo e pouco é certo
E que estamos destruindo o futuro
E que a maldade anda sempre aqui por perto
(...)
Um mundo onde a verdade é o avesso
E a alegria já não tem mais endereço
Clarisse está trancada no seu quarto
Com seus discos e seus livros, seu cansaço
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo existir e vou voar pelo caminho mais bonito.
Clarisse só tem 14 anos...


(Renato Russo - Clarisse)



quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Um amigo que não voltará mais...

Como disse a moça da previsão do tempo, hoje o dia amanheceu nublado com ocorrência de pancadas de chuvas isoladas.
Um dia cinza, pelo menos até agora. Apesar das coisas boas que aconteceram ontem, não dá pra esquecer ou anular o dia de hoje. Não dá para esquecer que nesse mesmo dia, no ano passado recebi uma ligação de Recife me informando sobre o suicídio de Daniel.
Uma das maiores tristezas que já senti pela morte de alguém. Apesar de já ter visto muita gente cumprindo o ciclo da vida, desde criança, a começar pelos meus avós maternos, meu tio-avô materno e muitas pessoas que estiveram presentes na minha infância, a morte de Daniel foi inaceitável por muito tempo.
O detestei, quando soube do câncer, pois ele morreu sem me falar. Chorei quando li o e-mail de despedida, dois meses depois da morte dele, quando tive coragem de abrir.
Chorei a morte do meu amigo sozinha, porque parecia que ninguém mais se importava.
Eram tantas cobranças, tantos dilemas familiares que se passavam por aquela cabeça que, junto com o câncer acabou tendo esse trágico fim.
Vi de perto o que a hipocrisia religiosa pode fazer. Vi a tortura insuflada pelo tão religioso pai dele apenas pelo fato de Daniel ser homossexual. Fui acusada de saber da ideia do suicídio enquanto eu me encontrava num estado de surpresa tanto quanto qualquer outra pessoa que o conhecia.
Depois disso tudo, uma revolta contra esse deus que dizem que existe me consumiu. Como é que pode tanta desgraça acontecer assim, de uma só vez, a uma única pessoa, sem dó nem piedade? Como é que esse cara criou uma pessoa tão linda e inteligente, um artista de teria um futuro brilhante, e o crucifica, como dizem que fez com o próprio filho, o tal do Jesus.
Muita gente veio dizer um bocado de abobrinha, desde as coisas sobre inferno, vale dos suicidas, céu, vida eterna, espíritos vampiros, espíritos errantes, almas penadas e por aí vai. Não acredito em nada disso.
Tudo que posso dizer é que Daniel Albuquerque existiu um dia, que foi um grande amigo, que não será esquecido, que tive um grande amor por ele pela pessoa maravilhosa que era. Hoje ele não existe mais. Morreu.
O que ainda me revolta são as circunstâncias, a apatia da mãe, a mediocridade do pai, a insensibilidade da irmã...
Só posso imaginar o que ele seria. Poderia ser um bom policial, um bom professor de Português... Poderia viver de música, como ele desejou. Poderia.
Perdi meu amigo e, se é verdade o que dizem sobre pessoas insubstituíveis, com certeza Daniel é uma delas.
Sinto muita, muita saudade, mas não há o que se fazer a não ser lembrar dos bons momentos que vivemos.


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Os motivos - Capítulo I

          Então, já sentes aquele perfume de lavanda que entra porta adentro? Já não sentes mais aquela calma por teu olfato reconhecer tal cheiro, não é? Essa urgência destemperada cheirando a almíscar sintético que te deprime, reprime teus sonhos e exala teus pesadelos.Essa carícia no tempo que vem no vento junto com as tuas palavras convertidas em breu pela tua luz. Então andas às voltas com teus problemas, poemas de uma vida mascarada de solidão e medo. O que és, então? Perguntei-te mil vezes. Respondeste-me por último. Daí fechei os olhos, o coração e extingui minha religião.




Se fosse só sentir saudade, mas tem sempre algo mais.
Seja como for. 
É uma dor que dói no peito, pode rir agora
que estou sozinha.

(...)
Quando as estrelas começarem a cair
me diz, me diz
pr'onde é que a gente vai fugir?


Para Daniel Albuquerque
+22/12/2010.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Livre

Ninguém
me prende mais.
Olho para a linha
divisória de céu
terra e nuvem.
Livre,
eu sou.


Na frente
é tudo tão bonito,
não há razão
para não querer
ser independente
desse passado
amoroso
e sombrio.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

C'est fini

Saí de casa à tarde.
Fui ao centro de João Pessoa pagar algumas contas e andar sem rumo pelas ruas.
Passando pela Lagoa ouvi alguém me chamar. Olhei para o carro que estava do lado e vi o rosto dele.
Perguntou se eu iria pra casa e se eu queria que ele me trouxesse. Agradeci a gentileza que eu sei que foi forçada mas recusei. Então, ele me convidou para tomar uma cerveja.
Sentamos num barzinho ali mesmo, naquele lugar que eu nem gosto tanto assim.
Ele pediu a cerveja, colocou no meu copo e pôs a mão em cima da minha.
Olhou pra mim e me pediu desculpas pelo que ele havia dito outro dia.
Falou coisas de Caio Fernando Abreu e de Lispector. Queria me agradar, eu sei. Uma frase cheia de sentimento de Caio vinda dele era rebatida com alguma coisa de Beauvoir por mim.
Ele disse que não me conhecia mais. Ele disse que me ama, mas eu não sou uma criatura que se pode amar todos os dias da vida. Mandei ele ir se ferrar.
Tentei levantar da mesa depois de ter dito coisas pouco amistosas. Ele rapidamente me segurou pelo punho (coisas de policial) e me pediu pra sentar.
Sentei e vi uma lágrima cair em cima da mesa. Era dele, não minha.
Poucas vezes o vi chorar.
Me falou de coisas da gente. Lembrou da primeira rosa que me deu. Confesso que quase recaí, mas, me mantive forte.
Não temos mais volta. Não por outro motivo, mas, é que não temos para onde voltar porque nunca saímos do lugar.
Eu não caibo mais na vida dele. Ele não se encaixa mais na minha. Não existe outra decisão a ser tomada.
Adeus, Ces't fini.
Perdemos o que tínhamos um pelo outro: o amor, o carinho, a amizade, o respeito.

Tous ces chemins qui mènent loin de toi
je les prendrais sans trop savoir pourquoi
j'irai chercher ailleurs d'autres refrains
chercher d'autres lendemains
pour cacher mon chagrin.


on a plus qu'à partir
C'est fini, il faut se dire adieu
il faut oublier tout ce qui fut nous deux


Une vague est venue effacer
les traces qu'on avait laissé
sur cette plage abandonnée.

Minha mãe ouvia essa música do Roberto Carlos. Para ver a tradução completa clique aqui.



domingo, 11 de dezembro de 2011

Sobre as pessoas medíocres da minha vida

Estou excluindo pessoas pouco interessantes da minha vida.
Diante delas prefiro fingir ser idiota do que acabar com todas as verdades delas. Penso que seria bom acabar com os castelinhos de areia e tocar a minha vocação de ser eternamente contra a ordem vigente colocando aquelas pessoas no devido lugar. 
Não sou tão má assim. Mas isso não seria maldade, e sim uma grande ação de ajuda.
Críticas. Estou afogada em críticas e não esboço o mínimo sinal de preocupação por isso.
Tantas vezes dou uma de desentendida pra não cometer o erro de discutir com um idiota. Já dizia Kant que quando se discute com um idiota as pessoas podem não saber diferenciar quem é o verdadeiro idiota. Por isso meu silêncio, minha paciência forçada.
Às vezes me descontrolo mas logo volto a postura anterior.
Tenho grandes defeitos, um deles é ser enérgica nos meus argumentos. Se não gosto de determinado tema ou se uma pessoa vem me contrariar por aquilo que eu defendo e sei que verossímil, armo-me da fundamentação teórica  que o assunto exige e isso é desconfortável para muitas pessoas.

Aquelas pessoas que começam a falar mal de mim por metáforas na minha frente pensam que nunca serão descobertas: Medíocres. Sempre desconfio das pessoas. De todas elas, até de mim, portanto eu sei exatamente quando estão falando algo que diz respeito a mim. E NÃO escrevi texto pra ninguém daquela van e se tivesse escrito daria nome aos bois. Não preciso usar de metáforas para dizer o que eu quero e penso; tudo vai depender da interpretação da pessoa que lê. Se alguém não quer saber da minha vida aconselharia a deixar de ler meu blog que é feito por mim, para mim e para quem entende sobre determinados assuntos. E mais uma coisa: Quando quero perder meu tempo vou jogar Angry Birds.

Aquelas pessoas que te subestimam: Medíocres. Passo horas estudando, lendo, pensando. São noites acordada, escrevendo, criticando essa tal de educação do campo que não me inspira muita coisa. Lembro de um dia que passei 48 horas acordada reformulando um artigo. Eu li, li, li e li mais ainda e não conseguia produzir nada. Tinha alguém pra me ajudar? Nem minha amada mãe se sensibilizou comigo. Eu pensava e queria discutir com as pessoas para ter diferentes pontos de vista, mas, entupida de trabalhos eu não tinha como fazer uma pesquisa que realmente desse um bom bom resultado. Entreguei o artigo esperando um 5. O recebi de volta com um 10 e os elogios do professor. Aí veio um engraçadinho me falar que foi copiado da internet. Dá licença, mas eu escrevo meus trabalhos. Pretendo adicionar um doutorado na minha formação acadêmica e não é com ctrl/c ctrl/v que vou conseguir isso.

Aquelas pessoas que se encostam em você e querem sugar tudo o que você tem, desde dinheiro, namorado e até conhecimento. 
Aquelas pessoas que te saúdam com um sorriso e gritinhos de felicidade medíocres. Já comprei muito gato por lebre, hoje não mais.
Aquelas pessoas que pensam que o centro da galáxia é o próprio umbigo. 
Aquelas pessoas que nascem apenas com o objetivo de poluir o meio ambiente, de destruir casamentos, de viver enclausuradas dentro das igrejas e de passar o dia inteiro assistindo novela.
Estou excluindo todas as pessoas medíocres da minha vida, a começar pelas redes sociais. Se você não me acha mais na sua página do Facebook, Twitter, Orkut, fique certo de que para mim você é uma pessoa medíocre.
Eu já fui medíocre, muitas vezes sou medíocre mas, quando me olho no espelho e me reconheço assim eu me excluo.





medíocre fala de pessoas. O comum fala de fatos O sábio fala de idéias.

Provérbio Chinês
Quando um muro separa, uma ponte une.
Se a vingança encara, o remorso pune.
Você vem me agarra, alguém vem e me solta.
Você vai na marra, ela um dia volta.
E se a força é tua, ela um dia é nossa.
Olha o muro! Olha a ponte!
Olha o dia de ontem chegando...
Que medo você tem de nós!
Olha aí...
Você corta um verso, eu escrevo outro.
Você me prende vivo, eu escapo morto.
De repente...
Olha eu de novo!
Perturbando a paz, exigindo o troco.
Vamos por aí, eu e meu cachorro.
Olha o verso, olha o outro,
Olha o velho, olha o moço chegando...
Que medo você tem de nós!
Olha aí...
O muro caiu. Olha a ponte!
Da liberdade, guardiã.
O braço do Cristo, o horizonte,
Abraça o dia de amanhã.
Olha aí...

Pesadelo - Maurício Tapajós e Paulo César Pinheiro

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Fragmento

              Dentro dela existem várias mulheres. Mulheres que ela ainda não conhece, outras que ela teme, outras que ela recebe como a mãe recebe o santo. Então percebeu que uma daquelas mulheres todas precisa ir embora, mas, aquela que ela queria exilar de si era aquela que lhe dava impulso, que lhe fazia sorrir. Mandou-a embora e enfiou-se num mundo de tristeza sem volta, pois aquela que saiu pela janelas dos sonhos era ela mesma.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Silêncio para os cães

Andei misturando as coisas, as pessoas, as emoções e esqueci que as melhores companhias que tive na vida sempre foram meus livros, meus cadernos onde escrevo poesia e eu mesma, que nem sempre me entendo mas que me condeno quando é preciso.
A minha visão de mundo não se resume a visão da mediocridade. Eu me vejo além de muitas coisas pois nada daqui me contenta.
Querem me fazer desistir? Ótimo. Percam o tempo da existência ridícula de vocês pois eu não vou parar por aqui.

Hoje fiz coisas que nunca pensei que faria um dia. Na verdade fiz e não fiz pois meu impulso foi bruscamente barrado pelo sentimento que tenho por alguém. Me arrependo? Não sei ainda. Irão me crucificar por isso? Pois que me crucifiquem! Não temo a ninguém muito menos ao deus inventado. Temo a mim mesma por todas essas ideias loucas que rondam na minha cabeça.
Não falo a mesma língua que a maioria dos cães que me rondam. Não vou - e nem quero - me perder no meio da multidão. Eu quero usufruir do meu direito de ser livre. E que se danem os cometários. Deliciem-se com o meu silêncio que os deixa numa zona de conforto enquanto eu experimento todas as sensações e sabores do mundo que estou descobrindo.


...e que nada nem ninguém é mais importante do que nós próprios. E não devemos negar-nos nenhum prazer, nenhuma experiência, nenhuma satisfação, desculpando-nos com a moral, a religião ou os costumes.  
- Marquês de Sade. 

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

But I'm not the only one...

Imagine que não há paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum inferno abaixo de nós
Acima de nós apenas o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo para o hoje

Imagine não existir países
Não é difícil de fazê-lo
Nada pelo que lutar ou morrer
E nenhuma religião também
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz

Você pode dizer
Que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Eu tenho a esperança de que um dia
você se juntará a nós
E o mundo será como um só

Imagine não existir posses
Me pergunto se você consegue
Sem necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade de humana
Imagine todas as pessoas
Compartilhando todo o mundo

Você pode dizer
Que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Eu tenho a esperança de que um dia
Você se juntará a nós
E o mundo viverá como um só.

Só me faltava essa.

Eu tenho vários amigos homens. Na verdade, tenho mais amigos que amigas e uma coisa me deixa extremamente irritada: namoradas ciumentas.
Tipo, é muito chato você ser convidada a sair da vida de um determinado amigo dos tempos de colégio só porque a namoradinha dele tá com ciúmes de você.
Isso foi tenso pra mim.
Não sei que raio de atitude foi essa que a nova namorada de Thiago (a 2ª em menos de 6 meses) que mora lá em Mangabeira VII tomou. A criatura não sabe nada sobre a minha pessoa e me liga num dia que eu não tô muito legal:

~le eu atendendo o telefone [número confidencial] : Quem é?
~le namorada de Thiago: É você a Amanda?
-Desde que meu pai me registrou no cartório. Quem é hein?!
- É (...) namorada de Thiago.
-Namorada?  Certo. Diga aí...
-Sinceramente Amanda, eu não gosto de você.
-Como é? tu nunca me viu na vida e liga pra mim pra dizer que não gosta de mim. O que tu quer hein?
-Não não quero que você veja mais o MEEEEU (com bastante ênfase) namorado.
-Ok. Já disse isso a ele?
-Vai tomar no ** garota
-Tomar aonde? kkkkkk criatura, sinto em te informar que eu sou uma pessoa ocupada e que não tem tempo a perder na vida. Fala pra Thiago que você ligou pra mim... Desejo sorte pra vocês dois querida e nem se preocupe comigo, SEEEEEU namorado não faz meu tipo.
~le eu desligo o telefone e não atendo mais nenhum número confidencial por hoje.

Eu já fui namorada de uma cara super legal e eu me orgulho de ter sido namorada dele: o Cris. Cristiano, era cheio de amigas que eram doidas por ele... Eu não tava nem aí com elas... Eu me garanto, ou melhor, me garantia quando estava com ele \o/.
Cristiano acabou casando com uma amiga da gente e que não tem nenhum problema comigo, pelo contrário, ontem mesmo comemoramos o título do Corinthians tomando uma cervejinha (apesar da minha pessoa não ser corintiana).
Ciúme de amiga pra que? Ainda mais que essa louca não sabe de nada do que rolou entre eu e o Thigo, e, mesmo se soubesse eu não tô nem aí pra ela... estou muito ocupada com as tensões de final de período e com uma paixonite aguda por um carinha aí.
Aí eu, sem ter como concluir esse post ligo pra Thiago pra falar do ocorrido. Ele me fala:
-Mandinha, tem paciência com ela
Preciso dizer que isso me deixou com mais raiva ainda da história? Respondi carinhosamente:
-Paciência? eu estou tendo paciência se não teria mandado sua namorada pra puta que pariu, já que ela não foi tão educada comigo... Mas mostrei pra ela que sou neta de cangaceiro e vou mata-la no cansaço.
Desligo o telefone e não atendo mais Thiago hoje.
Agora estou assim... Se me fizer muita raiva eu ignoro mesmo... Eu estava bem, fuçando a vida alheia nas redes sociais e concluindo meu trabalho sobre A pedagogia da humanização de Paulo Freire quando a doidinha me liga pra dizer que não me quer mais por perto do meu melhor amigo. Das duas uma: ou ignoro a criatura ou realmente me afasto de Thiago pra ver se ele desenvolve a vida dele (ele quer casar, ter filhos e ir morar em São Luís). A guria lá tem muito mais probabilidade de se encaixar no perfil dele: Católica, loirinha, adora uma praia e gosta de se exibir. Não tem ideias próprias e gosta dessas bandinhas de forró.
Desculpa Thigo, mas isso é o que eu pude perceber visitando o perfil dela no Facebook.
Não sou tão fútil quanto ela. Favor avise pra essa menina que quando me ver lá pela universidade finja que não sabe quem eu sou.
Felicidade pros dois! E depois Thiago, não venha chorar as dores do fim desse namoro no meu ombro não viu!

Só me faltava essa...

Singela homenagem p/ Thiago.
(Achei essa foto no Facebook agora,
bem na hora de publicar o post no perfil
facebook.com/catolicasdireitodecidir ).

Sem razão de existir

Um ET.
Uma criatura deslocada.
Um ser que não tem razão
de existir.
Pra que mesmo nasci?
Decepção
é sempre assim.
Amarga
como doce de caju queimado.

Meu quarto
sem travesseiro,
sem saída,
vida sem roteiro.
Eu no escuro,
Perdida em mim
Sofrendo do mesmo castigo
que Caim.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Fragmento nº 6


Queria te contar aquilo sobre mim que eu sei que você já sabe.
Deixo transparecer tantas verdades nas aparências que te minto. 
Minto para ti e para todos os outros que me perguntarem. 
Não assumo, sumo. 
Minto para ti, para o mundo e para mim, nesse infinito jogo de meias verdades de meu coração.
Minto para você e sofro por isso.

...


O que eu sinto agora é assim...


Pra falar verdade, às vezes minto
Tentando ser metade do inteiro que eu sinto
Pra dizer as vezes que às vezes não digo
Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo
Tanto faz não satisfaz o que preciso
Além do mais, quem busca nunca é indeciso
Eu busquei quem sou;
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.
Cuida de mim enquanto não esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto finjo, enquanto fujo.
Basta as penas que eu mesmo sinto de mim
Junto todas, crio asas, viro querubim
Sou da cor, do tom, sabor e som que quiser ouvir
Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir
Quero mais, quero a paz que me prometeu
Volto atrás, se voltar atrás assim como eu.
Busquei quem sou
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo, enquanto finjo.
(O Teatro Mágico - Cuida de mim)

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Um desejo

Eu quero muito uma coisa. Certo que não é bem uma coisa do tipo objeto. É uma coisa que eu desejo mas que me sinto incapaz de conquistar.
Insegurança é a palavra e eu sei como é a terrível sensação de perder por covardia.
Estou mal por isso.
Estou mal por ter a palavra engasgada na garganta, por ter toda a vontade de cuspir esse sentimento.
E essa coisa, ou melhor, essa pessoa, me faz pensar no que realmente vale a pena na vida.
Ele não é o cara que me protege de todos os males do mundo. Ele é o cara que me incentiva a fazer o que eu quero, que não me censura nem me diz o que devo fazer.
Ele não me critica por beber, nem por falar palavras feias.
Ele lê Nietzsche.
Totalmente diferente do que a vida me ofertou antes.



Dia pra esses olhos sem te ver
É como o chão do mar..
Cássia Eller-Luz dos Olhos

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Enquanto isso nas redes sociais...

1.
Igreja eu eu. Duas coisas que não combinam. Um dia já combinaram, mas hoje não dão mais certo.
A impressão que tenho é que igreja(s) não gosta de mulheres, principalmente daquelas que pensam. Pelo menos foi assim que aconteceu comigo.
Não quero que o padre ou o pastor decidam minha vida. Se a vida é minha eu que tenho que decidir. 
Sei que já deve ser a terceira vez que escrevo isso, mas preciso reclamar de novo.
EU NÃO AGUENTO MAIS TANTA "FÉ" NO FACEBOOK.
As pessoas falam de preconceito com as religiões. Mas CADÊ O RESPEITO COM AS PESSOAS QUE NÃO ACREDITAM? 
Cada um que diga que a salvação está na sua igreja. Acho que a minha salvação está no meu direito de pensar no que eu quiser e de ir pra onde eu quiser
Percebi que um ida que o tempo eu perdia na igreja falando mal da conduta das outras pessoas era o tempo que eu deveria estar em casa lendo.
Concluindo: Isso não é fé. Isso é necessidade de mostrar as pessoas que você acredita em alguma coisa.
**
2.
Fiquei puta quando vi as imagens de um homem que estava arrastando um cachorro no asfalto em Jaguaribe. Sério, isso é muita crueldade. Mas o que me deixa mais puta ainda são os comentários que vi no Facebook.
A mediocridade gira em torno da mesma lógica da de Julio Bam Bam Bam. Vou transcrever alguns dos comentários que achei lá:

gente, q absurdo! quero que esse idiota morra!
vou arrastar ele pro inferno.
enterrem o cara vivo!
q esse idiota morra torturado.
já que matar não pode temos que esfolar vivo.
esse homem tem mais é q morrer.

E por aí continua... Mas me esclareçam uma coisa: Esfolar o cara, matar, chamar de filha da puta adianta? Dizer que tinham que amarrar um saco na cabeça do cara que arrastou o cachorrinho e fazer a mesma coisa que ele fez com o animal não é a mesma coisa?
Só para constar: eu tenho um Poodle de 3 meses, o Otto:

***
Por essas e outras, penso muitas vezes em me desligar das redes sociais.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Eu não troco um sorvete por você.

Que verdade é essa que me apanha desatenta? Que vontade, que ideia de falta é essa? Não consigo acreditar que eu caí sobre as cinzas do que restou de nós dois.
A lágrima, ao ver a imagem sacra passar me fez mais uma vez te perdoar. Te perdoo pois sei que você não vê nada além daquilo que te mostram. Sei disso por experiência própria pois por muito tempo te mostrei só o que eu queria.
Errei.
Julguei que você era mais esperto. Não era.
Eu sei que você lê o meu blog. Você lê porque sabe que vez ou outra eu vou fazer isso quando eu lembrar daquilo que ficou marcado na carne. Escrever pra você é uma tortura.
Eu consegui deixar a maior parte das coisas da gente no passado, você não, e é por isso que não me liberto totalmente dessas amarras.
Já te pedi tantas vezes... e continuo pedindo pra que você se afaste de mim. Não fale com minha irmã, não passe na frente da minha casa como se procurasse algo, não faça nada  que me envolva.
Não acha que já foi pesado de mais pra mim?
Troquei tanta coisa na minha vida por você... lembra? Bolsa de estudos - São Paulo - emprego - Portugal. Aquelas coisas significavam muito pra mim, mas parecia que você era mais importante. Eu deixaria minha mãe pra ir estudar em São Paulo, sem exitar, mas não consegui deixar você.
Tem horas que eu acho mesmo que você é um babaca. Isso porque eu tenho amigOs, e dois deles me disseram que iam incentivar as namoradas caso oportunidades assim viessem pra elas.
Cara, eu não sei no que eu pensava... Eu não sei o que rolava nessa minha cabecinha, mas acho que se for pra falar de bruxaria aqui o bruxo foi você não acha?
Falar pro teu primo sobre a gente foi fail. Falar pro cara que ainda vai ferrar com a tua vida o que rolou com a gente foi fail². Falar pra corja da Igreja sobre o fim do nosso namoro foi fail³.
Você tem noção do que isso tudo fez comigo? Você nunca se perguntou porque eu nunca mais apareci na igreja? Você não sabe mesmo porque eu exclui todas as pessoas que você considera da minha vida?
Tem dias que choro. Choro muito. Se você pensa que é por você, engano seu.
Lembra da última sms que te mandei? Aquela do dia 30/07/2011 às 23hs? Acredite, não retiro nenhuma vírgula dela.
Se eu não esqueço as coisas ruins é claro que também não esqueço as boas, por isso se afasta tá bom...
Se você quer conversar comigo pede meu telefone pra alguém. Vem aqui em casa, marca em algum lugar, sei lá... seja o homem que você não foi quando eu precisei de você.
Na boa, sai desse mundinho onde tudo é perfeito. Sai dessa amizade que te atrasa. Joga fora essas coisas todas que te prendem num lugar que não existe, joga fora essas pessoas, inclusive eu.
Você é um cara inteligente, por isso gostei de você. Estou errada ou o trágico fim do nosso relacionamento teve influências?
Não seja burro. Me esqueça. Esqueça Santa Rita, Igreja, amigos FALSOS e pense em quem você é sem que nada disso te influencie.
Por isso não demos certo.
Eu sei voar sozinha sem me preocupar com as coisas que deixo pra trás, mas você tem uma necessidade ridícula de ter sempre alguém junto contigo pra fazer qualquer coisa da vida.
Fiquei puta da vida quando você foi comprar meu presente do dia dos namorados acompanhado. Eu fui comprar sozinha e você sabe bem o quanto eu odeio comprar presente pros outros. Não precisávamos da opinião dele. Seu amigo já tem o casamento dele pra tomar conta.
Não deixa ninguém ser responsável pela tua vida tá bom? E não me pergunte porque raios eu ainda me importo.
Eu me importo com você, mas, acredite, EU NÃO TROCO UM SORVETE NUM DIA DE CHUVA POR VOCÊ.




domingo, 27 de novembro de 2011

Fragmento nº 16

É nos dias de chuva
que
dói
mais.

As flores
brancas
do jardim,
pesadas do orvalho
choram
junto.


Mas amanhã,
segunda feira,
tudo haverá de passar.

Vacinar o cachorro,
Exame
Oftalmológico,
Contas a pagar.

Tudo irá
me fazer esquecer
A dor 
adormecida.

(Des) en-contrados

Domingo nublado.
Ele para o carro,
Sai.
Liga o alarme.
Caminha.
Toca a campainha.
Ela não está
ainda.
Desce as escadas,
Tropeça,
Cai.
Levanta.
Liga o carro,
se afasta .
Pensa ser tarde.
Confeitaria,
Café,
Onde ela
haveria de estar?

Ela sai
do apartamento.
Estacionamento.
Liga o carro.
Vaga pelos becos.
Para.
Observa a casa
dele.
Toca a campainha.
Onde ele
haveria de estar?
Volta.
Café,
Confeitaria.
Pensa ser tarde,
aquele
domingo nublado.


Resolvi me afastar, e agora estou tentando tirar da cabeça. Não estou conseguindo, porém tentando. Não consigo mais aceitar relações pela metade. Em outras palavras, raspas e restos não me interessam.
Caio Fernando Abreu


É sempre assim quando a gente resolve não esperar mais pelo incerto. É isso mesmo: Incerto. Dói tanto que parece que o mundo vai desabar sobre minha cabeça, mas aceite, da mesma forma que eu aceitei, que na sua vida não há espaço pra mim. Estou sendo cruel, dramática, precipitada? Talvez. Você sabe que eu não sei esperar e que desisto facilmente das coisas. Sinto muito, muito mesmo, mas desisti de nós dois. Não é a primeira vez que eu digo isso, mas sinto que agora essa ideia vai mesmo se concretizar. Não dá mais pra esperar por você. Brasília? Bom pra você, não pra mim. Desculpa, mas acho que temos que parar por aqui.

 --
Ando pela rua a te chamar
Mas na verdade, tanto faz
Porque visto as frases que você me deu
Mas elas não me servem mais
O que aconteceu com seu futuro que era o meu?
Agora não adianta mais me responder
(nem venha me dizer)
Quem passou do ponto onde era longe
E de que jeito era o certo
Porque minha dor sempre se esconde
Mas nunca sai de perto
O que aconteceu com meu futuro que era o seu?
Eu não vou provar do seu antídoto
Que me salva e me condena a me encontrar perdido
Não preciso de você pra descobrir
Que a estrada infinita que tenho que seguir
Não leva a nada
Começamos o fim... É assim
O melhor pra você, o melhor pra mim
Eu não voltaria mesmo
E você não podia ter ficado aqui
(nunca foi tarde)
E hoje quando amanhece sol
Abro a janela para a chuva
Que coincidência: tua mão
Não cabe mais na minha luva
O que aconteceu com o futuro que morreu?...
Ou nunca existiu?
Você nem olhou pras coisas que admiro
E nem me ouviu
Mas era eu quem te chamava com meu último suspiro
O que aconteceu com o futuro que se perdeu?
(nunca foi tarde)
Nunca foi tarde - Paulinho Moska

Você e eu

Uma grama,
Uma cama,
Um samba
pra gente dançar.

Qualquer praça,
Qualquer rua,
Qualquer lua
pra se enamorar.

Lugar qualquer;
Qualquer que seja,
Que seja
Com você.

No breu,
Na luz do poste,
Nada mais importa.
Nada que não seja
Você e eu.

Dividir lençol,
Guarda chuva,
Jardim.
Você é o que interessa
pra mim.