quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Vox



Não quero mais aquilo que não pode me libertar,
Sejam os credos ou qualquer religião
Os falsos amigos ou verdadeiro inimigos
As opiniões e idéias fixas que são apenas ilusões

Não quero mais aquilo que não pode me libertar
Do trapézio de meus pensamentos
E dos meus sonhos mais absurdos
Da tentativa de fingir viver

Não quero mais cultivar
Aquelas coisas que não podem me libertar
Das prisões que só pertencem a mim
Das algemas desse mundo arcaico
Das celas do meu coração

Eu não quero nada
Que hoje não me possa fazer flutuar
Do pico mais alto do meu coração
E cair sem me machucar

Não!
Eu já disse que não quero nada!
Quero apenas a minha ciência
E meus poemas
Que me mantém longe
Desse absurdo que é viver!




Nenhum comentário:

Postar um comentário