domingo, 20 de março de 2011

AOS POETAS QUE SOBREVIVEM

Admiro os poetas
Que em suas celas
Escrevem com as próprias mãos
Suas tragédias.


Gritam suas dores
em frente aos olhos
de seus algozes,
Cruéis assassinos da liberdade.


E toda essa cólera
Que hoje deixou de usar farda
Permanece arrancando as entranhas
Desses homens que agonizam.


E pensar que o senhor desses desgraçados
Também lhes deu as costas
E permitiu que todo este legado de sangue
Continue vivo até hoje.


Os poetas de corpos putrefados
Ainda resistem, com suas vozes
às atrocidades que viveram,
as que vivem, e as que ainda viverão.



2 comentários:

  1. Fico feliz quando encontro pessoas tão criativas no universo dos blogs, elas me inspiram a continuar primando por um trabalho de qualidade. Pra quem está começando agora, o blog tem tudo pra crescer. Abraço conterranea.

    ResponderExcluir
  2. Ah se quiser me fazer uma visita, o endereço é http://recortecotidiano.blogspot.com , um blog sobre cotidiano, espiritualidade, amizades, poesias, enfim, variedades. Até qualquer hora!

    ResponderExcluir