domingo, 3 de abril de 2011

Ideias Libidinosas

Meu sangue rubro
Quente, Sedento
Passa pelas minhas veias
Cortando, queimando
Sei lá o que procurando.

Roubas o oxigênio
Da minha atmosfera
Caio no chão, quieta
Inconsciente, imóvel.

Quando volto a mim
Percebo que ainda estou em ti
Tamanho prazer
Faz-me desvanecer

Amor meu...
É difícil manter esse sentimento detido
Um dia haverás de entender meu motivo.

Garanto-te que quando acontecer
Não seguirei regras morais
Mesmo de longe quero que saibas
Que desde ontem
Sou tua amante.

2 comentários:

  1. alle.andro@hotmail.com3 de abril de 2011 14:22

    achei muito interessante seu poema vi nele verdade e amor. acho qe vc esta indo no caminho certo parabens vc ja e uma poetisa. tenho tbm dois blog e espero qe vc me siga nele ficarei muirt feliz sera uma honra para mim

    ResponderExcluir
  2. adorei seu poema achei ele real e com sentimentos sua palavras sao muito reais e cheias de vida e como se vc falasse sobre cada um de nos. vc esta falando em seu poema de uma fase de vida q eu estou passando as vezes as pessoas q me sercam tiram meu ar parabens vc esta nota 1000 tenho tbm um blog e qweria q vc me seguisse se vc puder sera uma honra para mim http://homanneek.blogspot.com/

    ResponderExcluir