sábado, 2 de abril de 2011

Os poetas e a solidão

Os poetas nasceram para serem sós. É óbvio que isso não é regra, mas são raras as exceções. É difícil um poeta sensibilizar outro ser com o seu ponto de vista.
Eles sonham...São criaturas utópicas, vivem em outro plano, pois apenas eles tem a ciência de saber que não existe essa tal realidade em que vive o comum.
Esses cantadores sabem enxergar a beleza onde ninguém mais vê. Mas, também é na ponta de suas canetas que se denunciam todas as mazelas proeminentes da sociedade fétida em que vivem.
São por essas idéias que vivem em conflito na cabeça dessas criaturas pensantes que os outros seres se afastam.
Chamam esses artistas de loucos, os rotulam de estranhos, os insultam... (pobres alienados; não sabem o que dizem) magoam a alma desses poetas.
Mesmo tendo tanto conhecimento no campo das emoções, os poetas ainda são os que mais sofrem, pois trazem os sentimentos à flor da pele .
O mundo não sabe o que perde ao não valorizá-los, mas eles não se importam com isso; ao contrário do que se pensa, não querem fama... querem apenas que suas vozes sejam ouvidas ao menos por uma pessoa.
Os poetas nasceram para a solidão. Dormem sozinhos, acordam sozinhos, almoçam sozinhos... mas quem disse que para o poeta ser feliz precisa estar acompanhado? Se não vivessem na solidão que vivem; eles não seriam poetas.
A solidão é que dá essa nova perspectiva, dá a sensibilidade e esse olhar aguçado sobre os fatos que os cercam.


Admiro meus amigos poetas, meus colegas poetas, meus leitores...meus visitantes...

Abraço a todos!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário