terça-feira, 5 de abril de 2011

Uma poetisa que não sabe amar?

EU.

Não sei amar, não sei falar de amor. Hoje procuro uma gota de sentimento dentro de mim e não acho. Será normal? Não sei.
De uns tempos pra cá só faço tropeçar. Tropeço na felicidade, no amor... nunca os pego nas minhas mãos.
Penso eu que tudo isso seja reflexo de tantos chutes de cuturno que levei no coração.
Agora faço de tudo para não deixar de acreditar no amor.
O que vejo? Vejo flores bêbadas cheirando a morte despedaçando-se no chão.
O que sinto? Não sinto nada.
Eis o que eu mais temia: Me tornar uma qualquer. Me sinto mais uma no meio do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário