segunda-feira, 30 de maio de 2011

Uma rosa...


A rosa que recebi...

Numa tarde azul e de calor recebi uma rosa, vinda do Rio Grande do Sul.
Singela, cândida... arrancou-me lágrimas...
Sim, foi um poeta que me deu,
Me deu também um elogio, um pseudônimo.
Chamou-me de estrela.

Não sou estrela sozinha;
Preciso de companhia;
Nessa Via Láctea poética
Quero que tu, poeta
Faças parte da mesma constelação.

Agradeço-te poeta, por teres dedicado
A mim os teus versos...


Para o Poeta J.M.


2 comentários:

  1. E, duvidas que tenho encontrado uma Estrela! E olha só, estou chorando! Muito tempo que não choro, mas não tenho medo e nem vergonha em dizer, to emocionado! Olha a grandeza com que a estrela escreve!

    ResponderExcluir
  2. Não sabia que eu tinha tamanho poder... Poeta, convido-te para entrares no meu universo e fazer parte da minha Constelação... Admiro-te J.M. Obrigada pela lisonja!

    ResponderExcluir