segunda-feira, 11 de julho de 2011

Ana Liah



Fera.
De corpo,
De alma,
De ideias incontidas.

Embriagada.
Inebriada de si.
Pirata da própria lucidez.

Indefinida,
Ordinária,
Pérola,
Soberana,
Néctar felino,
Anagrama pecaminoso.

Sedução,
Paixão,
Asas Femininas;
Ana Liah

Aquela que está por vir,
Anjo casto, feito de luz.
Do mais singelo amor concebida,
Também será uma artista.

Rosa, espinho,
Clarão e Breu.
Cometa que rasgará o céu de paixão.

A semente, a cria.
Talvez poetisa,
Certamente será dona do próprio sertão.
Amor e tempo transmutado em gente.
Alegria que será infinda.

**Bem antes de ser concebida, a mãe de Ana Liah já a deseja, a planeja, a sonha. Antes mesmo dela ser um óvulo fecundado já é por muitos esperada. Sim! Um dia ela irá encher os pulmões de ar e celebrará a boa viagem que fará da paisagem dos sonhos para o nosso mundo que não é tão bonito como ela será.
Na mais sutil estratégia, a mãe dela já a imagina e, pacientemente, com toda a lucidez e tranquilidade possíveis vai preparando o mundo para a chegada dela. Antes de ser criatura, Ana Liah já é amada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário