segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Seríamos completos

Eu apenas sabia que te queria. Aliás, eu não sabia, eu sei.
Era uma vontade louca de te sentir, de te ter prazer, de me dar inteiramente para você.
Eu apenas queria tentar ser tua, ser minha. Eu faria de nós dois uma poesia, composta em decassílabo, complicada de se entender.
Eu apenas queria viver junto contigo o básico, monótono; o inédito, o exagero.
Prepararia o café e o pão, passaria teu uniforme, carregaria teu revólver e te levaria até a porta, te beijaria e desejaria que voltasses para casa inteiro.
Eu não me importaria em ter que matar um pedaço de mim, eu só queria te seguir. Eu só queria juntar de vez esse nosso sangue mal, nossos corpos tão dependentes de nós.
E de noite, quando você chegasse, talvez eu não estivesse a tua espera - é preciso trabalhar . Eu chegaria cansada, mas não deixaria de ser a tua mulher.
Eu iria desarrumar a cama, deitar nos teus braços tatuados e conversaríamos besteria. Qualquer coisa sobre política, economia ou poesia.
Seríamos completos um no outro.

Eu esperarei mais um pouco...



Nenhum comentário:

Postar um comentário