quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Enquanto isso nas redes sociais...

1.
Igreja eu eu. Duas coisas que não combinam. Um dia já combinaram, mas hoje não dão mais certo.
A impressão que tenho é que igreja(s) não gosta de mulheres, principalmente daquelas que pensam. Pelo menos foi assim que aconteceu comigo.
Não quero que o padre ou o pastor decidam minha vida. Se a vida é minha eu que tenho que decidir. 
Sei que já deve ser a terceira vez que escrevo isso, mas preciso reclamar de novo.
EU NÃO AGUENTO MAIS TANTA "FÉ" NO FACEBOOK.
As pessoas falam de preconceito com as religiões. Mas CADÊ O RESPEITO COM AS PESSOAS QUE NÃO ACREDITAM? 
Cada um que diga que a salvação está na sua igreja. Acho que a minha salvação está no meu direito de pensar no que eu quiser e de ir pra onde eu quiser
Percebi que um ida que o tempo eu perdia na igreja falando mal da conduta das outras pessoas era o tempo que eu deveria estar em casa lendo.
Concluindo: Isso não é fé. Isso é necessidade de mostrar as pessoas que você acredita em alguma coisa.
**
2.
Fiquei puta quando vi as imagens de um homem que estava arrastando um cachorro no asfalto em Jaguaribe. Sério, isso é muita crueldade. Mas o que me deixa mais puta ainda são os comentários que vi no Facebook.
A mediocridade gira em torno da mesma lógica da de Julio Bam Bam Bam. Vou transcrever alguns dos comentários que achei lá:

gente, q absurdo! quero que esse idiota morra!
vou arrastar ele pro inferno.
enterrem o cara vivo!
q esse idiota morra torturado.
já que matar não pode temos que esfolar vivo.
esse homem tem mais é q morrer.

E por aí continua... Mas me esclareçam uma coisa: Esfolar o cara, matar, chamar de filha da puta adianta? Dizer que tinham que amarrar um saco na cabeça do cara que arrastou o cachorrinho e fazer a mesma coisa que ele fez com o animal não é a mesma coisa?
Só para constar: eu tenho um Poodle de 3 meses, o Otto:

***
Por essas e outras, penso muitas vezes em me desligar das redes sociais.

2 comentários:

  1. Tambem penso assim, é cada uma que aparece.
    Penso que somos todos bárbaros!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Maya... Barbaridade não se resolve com barbaridade né? Seja bem vinda.

    ResponderExcluir