segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Sem razão de existir

Um ET.
Uma criatura deslocada.
Um ser que não tem razão
de existir.
Pra que mesmo nasci?
Decepção
é sempre assim.
Amarga
como doce de caju queimado.

Meu quarto
sem travesseiro,
sem saída,
vida sem roteiro.
Eu no escuro,
Perdida em mim
Sofrendo do mesmo castigo
que Caim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário