quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Os motivos - Capítulo I

          Então, já sentes aquele perfume de lavanda que entra porta adentro? Já não sentes mais aquela calma por teu olfato reconhecer tal cheiro, não é? Essa urgência destemperada cheirando a almíscar sintético que te deprime, reprime teus sonhos e exala teus pesadelos.Essa carícia no tempo que vem no vento junto com as tuas palavras convertidas em breu pela tua luz. Então andas às voltas com teus problemas, poemas de uma vida mascarada de solidão e medo. O que és, então? Perguntei-te mil vezes. Respondeste-me por último. Daí fechei os olhos, o coração e extingui minha religião.




Se fosse só sentir saudade, mas tem sempre algo mais.
Seja como for. 
É uma dor que dói no peito, pode rir agora
que estou sozinha.

(...)
Quando as estrelas começarem a cair
me diz, me diz
pr'onde é que a gente vai fugir?


Para Daniel Albuquerque
+22/12/2010.

2 comentários:

  1. A saudade de um amigo tão querido me faz querer escrever coisas bonitas... Obrigada Kauana, apesar de que eu não ache que essas poucas linhas são merecedoras de beleza...

    ResponderExcluir